sexta-feira, 25 de junho de 2010

E que tal um ‘capitão’ colombiano?

Se Bruno Alves e Raúl Meireles (o jogador mais fresco da nossa Selecção, porque será?) deixarem o FC Porto, é muito provável que na próxima época o tema ‘braçadeira de capitão’ não gere consenso junto da família portista. Há muitos candidatos, mas nenhum deles apresenta ainda o estatuto e influência no balneário que jogadores como Jorge Costa, Pedro Emanuel ou Bruno Alves apresentavam quando foram nomeados ‘capitães’. Helton (tem o ‘handicap’ de ser guarda-redes), Rolando (é demasiado introvertido), Fernando (é demasiado jovem), Guarín (é um habitual suplente), Hulk (é demasiado impulsivo), Mariano Gonzalez (está lesionado e nem sempre é titular), Varela (também está lesionado, mas num futuro próximo será um forte candidato) e Ruben Micael (é o segundo preferido da nossa lista) são grandes candidatos à braçadeira.
No entanto, com o abandono de Nuno e confirmando-se as saídas dos nossos nº 2 e nº 3, o ‘Paixão pelo Porto’ gostaria que a braçadeira de ‘capitão’ fosse agora entregue a Radamel Falcao. Apesar de ter chegado ao FC Porto apenas em 2009, o ponta-de-lança colombiano absorveu de forma tão rápida a cultura do clube que neste momento é um sério candidato a suceder a Bruno Alves. Falcão tem tudo para ser carismático. Julgamos que o facto de ser estrangeiro não será um argumento suficientemente dissuasor para os que defendem um jogador português para essas funções. Isso não é condição essencial para se ser ‘capitão’ do FC Porto. Aliás, podíamos referir vários exemplos que contrariam essa tese. Recuperamos dois: Javier Zanetti (é argentino e ‘capitão’ do Inter há muitos anos) e Cesc Fabregas (é espanhol e ‘capitão’ do Arsenal).
Além disso, pode-se sempre reconhecer a importância de outro jogador atribuindo-lhe a agora prestigiante e influente camisola nº 2 (estou a pensar em Rolando ou Fernando, por exemplo). Fora do campo, o ‘capitão’ deve ser alguém que contribua para a harmonia no balneário e que tenha a sensibilidade para compreender que, por vezes, os interesses do clube se sobrepõem aos interesses individuais, enquanto que, dentro do campo, o ‘capitão’ deve ser o primeiro a dar o exemplo quando as coisas correm menos bem e conseguir contagiar os colegas com a sua entrega e espírito de sacrifício. Falcão cumpre estes requisitos!

6 comentários:

LRSO disse...

Eu concordo!
O Falcão é um excelente profissional e o seu empenho na época passada é prova de que poderá ser um bom capitão.

Hintze disse...

É o resultado da politica de contratações que tem vigorado no FCP. O Dragão mais parece um aeroporto onde os jogadores fazem escala. Tudo em prol do enrequecimento dos bolsos dos empresários e administradores da SAD.

reinododragao.blogspot.com

Anónimo disse...

Ou seja... continuemos com um FCPorto mercenário... Como no "estrangeiro de fora"... Não haverá um "capo" russo ou siciliano para dirigir a SAD ? "Business is business" ! Politicamente correcto !

Luis Santos disse...

O mal é que para o ano também deve ir embora e ficamos outra vez sem capitão. É preciso apostar em alguém que queira fazer alguns anos no Porto.

Nem que fossem Rolando, Beto e Varela. Também não sei se têm perfil de capitães do FCP, mas não vejo grandes soluções

Orgulhoazulebranco disse...

Então e Fucile?

Flávio disse...

Falcão parece-me uma boa escolha, aliás o Lucho também foi capitão do FCP, mas não posso deixar de referir, que este não é o FCP que eu me habituei a conhecer, para desgosto meu, olho para o plantel e não vejo aquele jogador à Futebol Clube do Porto, com garra, com vontade de comer a relva se for preciso, que luta conta tudo e contra todos, saindo Bruno Alves perdemos esse jogador à FCP, eu bem sei que os tempos são outros, mas.... custa.