domingo, 27 de abril de 2008

«Curiosidades FCP» - Os anos 50

Hoje recuamos até ao anos 50 e a uma década que marcou um dos maiores crescimentos do FC Porto a nível de infra-estruturas e de popularidade. Apesar de condicionado pelas políticas do «Estado Novo», com a inauguração do complexo das Antas e com o número de sócios a aumentar a cada ano que passava, o FC Porto dava mostras de grande ambição e vitalidade.
Nessa altura, o profissionalismo ainda não era levado muito a sério, isto porque quase todos os jogadores tinham outra actividade para além do futebol. No FC Porto, havia três comerciantes (Virgílio, Carvalho e Joaquim), dois corticeiros (Barrigana e Osvaldo Cambalacho), um torneiro de metais (Teixeira) e um funcionário municipal (Monteiro da Costa). Apesar de condicionar a preparação dos atletas, o semi-profissionalismo não impediu que o FC Porto voltasse aos êxitos depois das conquistas com Mihaly Siska no final da década de 30. Apesar de tudo, foi necessário esperar 16 anos para o FC Porto voltar a ser campeão nacional. A época 1955/56 marcou o regresso do clube aos títulos com a dobradinha conquistada sob o comando de Dorival Yustrich. Esse ano também marcou a estreia do FC Porto nas competições europeias, frente ao Athletic Bilbao, de Espanha. A década de 50 reservou novo título para o FC Porto dois anos depois da conquista do campeonato nacional. Na época 1957/58, o técnico brasileiro Otto Bumbel garantiu a 2ª Taça de Portugal da história do clube. O FC Porto encerraria os anos 50 com a conquista do campeonato nacional de 1958/59, com Béla Guttmann.
Apesar do final da década de 50 ter sido prometedor para o FC Porto, a década seguinte reservou-lhe um segundo e, desta vez, ainda mais longo jejum. O FC Porto esteve afastado da vitória no campeonato nacional entre 1959 e 1978, tendo conquistado apenas duas Taças de Portugal durante esse período (em 1968 e 1977).

10 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Ricardo Vara:


Adquiri esta separata há poucas semanas em «D João I», no Porto, na «feira dos sêlos e medalhas» por uma «pequena fortuna».

E tem uma interessante história:

- corresponde à pré-época de 1955/56 (Yustrich) no jogo que efectuou contra o Atlético Bilbau (particular - 1-4) em 04.09.1955.


Duas particularidades:

- ainda não tinha sucedido a colocação do emblema nas camisolas (por imposição de Yustrich); e

- ainda fazim parte Barrigana, Carvalho e Pourcel que, 6 dias depois, seriam... dispensados (em 10.09.1955).

vidé pág. 261 de «Fotobiografia de Rui Guedes).


Em cima vê-se: Barrigana, Virgilio, Carvalho, Pedroto, Pourcel, Sarmento e Acúrcio;

Em baixo: Hernâni, M Costa, Teixeira, Perdigão e Zé Maria.


Um abraço.

Drakonyaz disse...

Amigo Anónimo,

Pelos registos que li, o Porcel, era argentino e foi dispensado na data que indicou, indo jogar para o Salgueiros.

Será que me podia ajudar com mais dados sobre este atleta.

Depois de muito pesquisar pela net, apenas encontrei um atleta dessa altura,argentino e de nome Porcel: Júlio Ricardo PORCEL de Peralta, que alinhou no Tigre de Victoria em 1948 e no Velez Sarsfield em 1959.

Não sei se é este que representou o FC PORTO.

Obrigado

Anónimo disse...

Amigo:


Quási de certeza que é o... Porcel que refere.

Argentino, de facto, jogou no FC Porto de 1953 a 1955.

Saiu da forma que se sabe, e para o Salgueiros, onde esteve duas épocas (1955 a 1957) sendo campeão neste popular clube, com Barrigana e Carvalho, também ex-FC Porto, e saídos da mesma forma.

E então, e lá está, em 1959 já estaria, de novo, na Argentina.

Ora, se em 1948 já jogava futebol, e admitindo-se que nessa altura tivesse 20 anos, aos 25/26 anos estava no FC Porto.

Tenho pouca memória do Porcel, e
a que resta, é como jogador no Salgueiros.

Jogador de elevada técnica, assim tipo... Lucho Gonzalez (se calhar para melhor).

Há poucos anos esteve em Portugal e deu uma entrevista.

Fixei um desabafo em que conta que aquando da sua saída do FC Porto
até chorou «... no primeiro treino no salgueiros cujo balneário nem estrado tinha para pôr os pés...».

Acho que tenho esse recorte e se tal acontecer prometo voltar para contar exactamente o que ele diz, além de «esclarecer» outras dúvidas por si postas.


Um abraço

Drakonyaz disse...

Amigo,

Obrigado por ter partilhado a sua memória do Porcel comigo.

Agora, não sei se terá paciência para "esclarecer" tantas dúvidas que tenho em relação ao FC PORTO dos anos 50.

É que quanto mais leio e aprendo sobre a história do FC PORTO, mais dúvidas me aparecem.

um abraço

Anónimo disse...

Amigo «drakonyaz»:


Mas, quais dúvidas.

Só posso dizer que é a década mais marcante para mim porque das primeiras memórias.

É que nasci em 1948 (dois meses após a célebre vitória sobre o Arsenal de Londres).

E é a década da inauguração do saudoso Estádio das Antas (e mini-estádio, o campo de treinos onde jogavam as reservas e a formação).

A gloriosa década do ciclismo:

- Dias dos Santos, Moreiras de Sá, Carlos Carvalho, Sousa Cardoso, Onofre Tavares, etc.;

e do andebol de 11:

- Madureira, Fabião, Dias, Campos, Pintado, Ferra, Pires, etc.;

e mesmo no futebol, para mim, foi quando tivemos os melhores de sempre, senão vide:

G Redes:

- Barrigana, Pinho, Acúrcio e Américo;

Defesas:

- Virgílio, Alfredo, Guilhar, Miguel Arcanjo, Carvalho, Cambalacho e Barbosa;

Médios:

- Sanfins, Monteiro da Costa, Pinto Vieira, Pedroto, Sarmento e Ferreirinha;

Avançados:

- Araújo, Hernâni, Carlos Duarte, Teixeira, Noé, Morais, Zé Maria e Perdigão.

e até os estrangeiros:

- Osvaldo Silva (o maior), Jaburú, Luis Roberto e Gastão (brasileiros)
e Valle, Pourcel e Montañho (argentinos).


E depois houve também o Vachetto e o Yustrich, dos melhores de sempre
como... treinadores.

PS. - além de outros que, porventura, me esqueci.


Cumprimentos.

Drakonyaz disse...

Amigo "Anónimo",

É certo que o clube FC PORTO estará sempre acima de qualquer individualidade, mas sempre senti curiosidade sobre os atletas e treinadores que representaram o nosso clube desde a sua fundação.

Mas descobrir o nome e dados sobre os atletas e treinadores que passaram pelo nosso clube ao longo dos anos não tem sido tarefa fácil, porque normalmente os livros recordam as equipas campeães e os jogadores mais virtuosos, e se existem publicações que enumeram todas as figuras que passaram pelos planteis dos outros dois grandes de Portugal, ainda não encontrei nenhuma sobre o FC PORTO.

A nivel de treinadores faltam-me apenas dados sobre os Hungaros Anton Vogel (8-10-50/26-11-50), Gencsi Deseo (7-12-50/17-6-51)e o Maggyar (9-3-36/27-7-36).

Já de atletas, depois de compor todos os planteis da decada de 60,70,80,90 e da presente, estou a debruçar-me na de 50 e 40, e aí é que está a dificuldade, porque se é menos dificil encontrar dados sobre a maioria dos atletas que referiu no anterior comentário, por outro lado é quase tarefa impossivel encontrar referências sobre os atletas menos conhecidos, e aí é que residem as minhas maiores dúvidas.

Como por exemplo, os brasileiros dissidentes Lito e Zeca da época 57-58, ou os referidos na "Fotobiografia do Rui Guedes", Monzon de Montevideu e alemão Haasz, o Dell Pinto que aparece no plantel 53-54 (erro ortográfico, ou existiu mesmo um jogador com este nome?), não esquecendo os portugueses Adérito, Bibelino, que depois foi para Guimarães, ou ainda o Carlos Vieira, pai do Vieirinha dos anos 70, entre dezenas de outros.

E assim lhe esclareço o tipo de duvidas que tenho e o porquê delas.

Obrigado

cumprimentos

Anónimo disse...

Amigo:


Isso era quási um «levantamento» total da história do Clube.

Mas só duas excepções:

- O Del Pinto (é mesmo assim) era argentino e foi um bom jogador que passou pelo Clube nessa época; e

- O Carlos Vieira (não, não era o pai do Vieirinha, que até foi treinador do Clube, em 1969/70, de nome também Vieirinha, e que fez carreira no Benfica) foi um belo futebolista e... recordista dos 100m. Faleceu novo.

Hoje não estou muito «dado» a futebolices porque acabo de ler no JN a possibilidade de extinção do basquetebol no Clube.

Pelo que leio, há um diferendo com a FP Basquetebol mas, desconfio, que é mais um pretexto, como o foi aquando do... ciclismo, voleibol e hóquei campo.

É a velha (nova) questão das... Sads. E fico-me por aqui senão ainda vou incomodar alguém lamentando mais um aniversário do senhor presidente no Clube.

Um abraço

Anónimo disse...

PS. - E o andebol, que esteve por um... «fio», há 12 anos. Dá para meditar para que servirá o Ginásio em construção (sim, porque de 2.007lugares, só pode ser... Ginásio).

Anónimo disse...

PS. - Afinal foi na «Bola». Espero que no referido dia 6 o «nosso» presidente vá a Fátima e deixe a resolução a... outros.

Tomás Gencsi disse...

Boa noite carissímos,

Apenas para relatar que o Sr. Dezso Gencsi, teve um percurso intermédio como treinador na Húngria e veio para Portugal a convite do Viana F.C. (segundo os arquivos daquele clube) para treinar a equipa senior.

Depois de treinar o Viana F.C. alguns anos, surgiu então um convite para treinar o FC Porto na época de 50/51.
Um dos grandes feito durante o seu (pequeno) percurso pelo F.C. Porto, se não estou em erro, foi ter ganho 5-2 ao Benfica nessa época. Terminou o seu contrato (6 meses) e alcanço o 2º lugar (34pts) do campeonato nacional, ficando atrás do Sporting (45 pts).

Depois de findar o contrato, juntamente com outros dois portistas ferrenhos, fundou o Clube de Xadrês do Futebol Clube do Porto, onde se destacou como grande jogador.

A título de curiosidade, era bastante amigo do Mihaly Siska.

Acabaria por morrer nos finais dos anos 50's.

Espero ter contribuído.

Obrigado e cumprimentos portistas,
Tomás Gencsi, bisneto.