quinta-feira, 15 de abril de 2010

Mais uma final!

Não foi uma boa época mas o FC Porto continua na rota dos títulos. É evidente que uma possível vitória na Taça não apagará a má prestação no campeonato, mas é assim que se solidifica uma cultura de vitória. Nos últimos 11 anos, o FC Porto disputou 8 finais da Taça de Portugal. Actualmente, a nossa presença no Jamor começa a ser quase uma inevitabilidade!
Ontem, e depois do confortável 1-3 da 1ª mão, os jogadores do FC Porto poderiam cair na tentação de abordarem o jogo de forma mais despreocupada. No entanto, a equipa foi séria e ambiciosa. Primeiro a responder a um Rio Ave que jogou o ‘jogo pelo jogo’ e, já na segunda-parte, a colocar alegria e dinâmica no jogo, principalmente depois da entrada da dupla Hulk-Falcão. Além de serem dois agitadores, Hulk e Falcão acabam por contagiar os colegas com aquela permanente vontade de atacar e marcar golos.
Só não concordamos com Jesualdo Ferreira quando este diz que há jogadores que «continuam a crescer». Belluschi, Guarín, Tomás Costa e Valeri, por exemplo, só a espaços têm mostrado qualidade para permanecerem no FC Porto. Têm crescido, sim, mas pouco. Pelo menos para aquilo que é a actual exigência de representar o FC Porto.
Agora, segue-se o Desp. Chaves. Provavelmente o adversário mais acessível e modesto que o FC Porto já encontrou numa final da Taça de Portugal.
Apesar de ser o clube português que contabiliza maior número de finais perdidas (12), o FC Porto já é o segundo com mais finais disputadas (no final da época, ficaremos a apenas 6 finais de distância das 33 que o Benfica já disputou). A história continua!
Positivo (+):
- a postura e ritmo de jogo do FC Porto, que, apesar da vantagem tranquilizadora trazida de Vila do Conde, nunca baixou a intensidade do jogo;
- os golos de Belluschi e Guarín (o colombiano lá marcou depois de um sem número de tentativas frustradas de atingir a baliza em jogos anteriores);
- os homens que Jesualdo escolheu para formarem o meio-campo ofensivo do FC Porto: Valeri, Rúben Micael e Belluschi (um trio que, ao contrário do que acontece com jogadores como Guarín, Mariano e Tomás Costa, oferece à equipa mais inspiração e menos transpiração);
- a estreia tranquila e desinibida de David Addy;
Negativo (-):
- a reduzida presença de público no Dragão;
- a natural ausência de cumplicidade entre a dupla de ataque Orlando Sá-Farías;

4 comentários:

Armando Pinto disse...

Vai ser mesmo mais uma final, felizmente. Esperemos agora por esse dia 16 de Maio, que é o que importa.
Vou ver se desta vez consigo ir.
Abraço
Armando Pinto
http://www.longara.blogspot.com/

Dragaopentacampeao disse...

Jogo muito fraco que não abona nada os jogadores menos utilizados, dos quais se destacaram pela positiva Beto e Maicon.

O jogo valeu pelos belos golos e os últimos minutos.

Um abraço

Anónimo disse...

"O empresário do médio argentino, Dário Conca, revelou que existem negociações entre o FC Porto e o Fluminense pelo jogador sul-americano.! .................
Voltamos ao mesmo !

Raúl Paiva disse...

Boa Tarde.
Gostava de saber se tem "material" referente à eliminação do FC Porto na Taça em 1999, frente ao Torreense.

Saudações Desportistas.