segunda-feira, 13 de setembro de 2010

E-M-P-O-L-G-A-N-T-E!

Primeira nota: quem não assistiu ao FC Porto-Sp. Braga pode considerar excessivo tudo o que tem sido escrito e dito sobre o jogo. Mas na minha opinião, este vai ser, muito provavelmente, o Adicionar imagemmelhor jogo da Liga 2010/11. Será muito difícil voltarmos a ver 5 golos num jogo entre duas equipas tão competitivas e disciplinadas tacticamente. E não seria vergonha nenhuma se o FC Porto tivesse empatado com este super-compacto Sp. Braga.
Assim, o FC Porto foi obrigado a realizar uma exibição empolgante que, por exemplo, o tão elogiado ‘Benfica de Jesus’ nunca conseguiu oferecer aos seus adeptos nos jogos mais complicados que realizou na época passada (frente a Sp. Braga, FC Porto e Liverpool). Estamos conversados!
No final, Domingos (estava triste com o resultado e por isso perdoamos-lhe!) quis insinuar que os nossos golos surgiram em lances fortuitos, mas o FC Porto ameaçava marcar a qualquer momento antes de Lima fazer o segundo golo do Sp. Braga, ou seja, por essa altura já estávamos por cima no jogo.
É verdade que o FC Porto não tem sido assim tão espectacular como a exibição no jogo da Supertaça, frente ao Benfica, deixara antever. No entanto, o FC Porto joga como equipa e aborda os jogos com responsabilidade. Os jogadores não se deixam abalar por um ou outro detalhe (no Sábado foram dois grandes detalhes: os golaços de Luís Aguiar e Lima) que possa condicionar a partida e, ao mesmo tempo, conseguem desfrutar do jogo (no Sábado foi contagiante a alegria que jogadores como Hulk e Belluschi colocaram em campo). O FC Porto está forte! Quem cativa cada vez mais é André Villas-Boas, pois os seus contactos com a imprensa são cada vez mais apreciados pelos adeptos e pelos jornalistas. Ninguém sai aborrecido das conversas com o actual treinador do FC Porto. «Quero estar aqui o maior número de anos possível, sabendo que com este presidente o normal são 2 anos. Tenho de o convencer a ficar cá 10! Não só porque amo o clube desde sempre, mas também pelo ambiente. A cultura do clube, a cidade e as pessoas do Norte representam uma certa forma cultural de estar na sociedade com a qual me identifico e que não se pode encontrar em todos os lados». Um treinador do FC Porto que tem este tipo de discurso não merece todo o nosso apreço?
Positivo (+):
- Hulk resolveu "partir" tudo no jogo em que a equipa mais precisava dele (só o ‘Incrível’ poderia ajudar a desbloquear um jogo tão fechado tacticamente);
- a postura do FC Porto, que depois de estar por duas vezes em desvantagem soube manter a organização e lucidez; - Varela: estava a ser o maior candidato à substituição quando marcou o terceiro golo do FC Porto num potente remate que ainda “queimou” as luvas de Felipe;
- Belluschi: ele, Moutinho e Fernando são as “formiguinhas” trabalhadoras do meio-campo do FC Porto (trabalham que se fartam, levam pancada e nunca se queixam!);
- a numerosa presença de público no Dragão (este foi o 4º jogo com lotação acima dos 40 mil espectadores);
- destaque também para a posse de bola: frente a um adversário consistente e que gosta de ter a bola, o FC Porto foi capaz de terminar o jogo com 58% de posse;
- Maicon: está cada vez mais parecido com o Pepe dos primeiros tempos no FC Porto;
Negativo (-):
- num jogo assombroso (de ambas as equipas) seria injusto destacar algo pela negativa (o FC Porto, por exemplo, ainda não tinha consentido qualquer golo na Liga, mas no Sábado sofreu dois golos quase… indefensáveis!);

2 comentários:

R.M.Silva da Costa disse...

Foi, efectivamente, uma partida de futebol empolgante. Pela categoria das equipas que o proporcionaram, pelos treinadores, pelos jogadores, pelo público de ambos os intervenientes pelos golos, pela vontade de ganhar de todos, sem campanhas prévias na comunicação social e...pela arbitragem que fez o que tinha a fazer: arbitrar!

...e pela saborosa e justa vitória da melhor equipa!

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=nPc-_xTNP60

http://www.youtube.com/watch?v=ehFE9U3VZ1I