sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Venha a próxima fase!

Os nossos adversários na fase de grupos da Liga Europa que me desculpem, mas esta prova só começa nas próximas eliminatórias, pelo menos para o FC Porto. Nem sequer tem a ver com os resultados verificados até ao momento na prova (ontem, em vez de 0-1 podia ter ficado 1-4 ou 2-5), mas com a diferença de qualidade entre as equipas. A fase de grupos está a ser uma mera formalidade para uma equipa de ‘Champions’ como é este FC Porto de Villas-Boas!
No jogo anterior, frente ao Olhanense, fiquei com pena de ver Maicon e Sapunaru fora do «onze» (estavam ambos a atravessar o seu melhor momento desde que chegaram ao FC Porto), mas Villas-Boas tem que tomar opções para manter o FC Porto forte já num futuro próximo. Além disso, quem não fica com pena de também ver no banco de suplentes Souza e Ruben Micael? De facto, este ano houve mais rigor e critério nas contratações (e nas saídas também: Tomás Costa, Valeri, Prediger,… ). Toda a estrutura do FC Porto está de parabéns, foi montada uma grande equipa!
Esta fantástica série de vitórias do FC Porto coloca-nos uma nova dificuldade: a partir de agora todos os adversários têm um estímulo extra para nos derrotar, pois querem ser pioneiros e ficar no ‘filme da época 2010/11’. Estamos ansiosos pelo jogo de Guimarães!
Quem nos voltou a brindar com uma das suas habituais tiradas meio descabidas foi Miguel Sousa Tavares. Desta vez, escreveu na imprensa indígena que «o FC Porto (mesmo o último) de Jesualdo Ferreira jogava mais, melhor e mais espectacular futebol». ‘Nonsense’!
Quanto à Liga Europa, com mais esta vitória (frente a um CSKA muito fraquinho, diga-se!) e com os 3 pontos que o Besiktas conquistou em Viena, o FC Porto coloca-se em excelente posição para aceder à próxima fase. Duas vitórias, nos próximos 4 jogos, serão mais que suficientes para garantir o apuramento!
Positivo (+):
- o resultado, que deixa o FC Porto com 6 pontos e com margem suficiente para encarar os dois jogos frente ao Besiktas sem qualquer pressão;
- exibições positivas (sem deslumbrar!): Álvaro Pereira, Otamendi (e agora, qual a dupla que Villas-Boas vai escolher para Guimarães?), Souza (vai ser uma espécie de ‘Ramires do FC Porto’), Moutinho, Hulk (ontem, os seus tiques de ‘one man show’ irritaram um pouco) e Falcão;
- ontem provou-se que Villas-Boas está a gerir muito bem os ‘timings’ de entrada de alguns jogadores no «onze» (Souza e Otamendi, por exemplo, estão prontos para assumir a titularidade);
Negativo (-):
- Sapunaru: deu sempre muito espaço ao seu adversário directo e permitiu muitos cruzamentos, principalmente na 2ª parte;
- esperava-se outra atitude e postura por parte de Cristian Rodriguez, actualmente um indiscutível... suplente!;
- o FC Porto deveria ter marcado um segundo golo de forma a evitar ser surpreendido por um qualquer detalhe;

3 comentários:

Dragaopentacampeao disse...

Confesso que esperava um pedaço mais da exibição do FC Porto.

Depois de meia dúzia de minutos de arreganho búlgaro, a equipa tomou conta do jogo e pareceu indicar estar disposta a construir um resultado volumoso. O golo conseguido cedo e a fragilidade patenteada pelo adversário, sempre que os Dragões aceleravam o ritmo, mais disso me convenceram. Era evidente a diferença de andamento entre as duas equipas.

Contudo, o jogo, principalmente na segunda parte, tirando alguns fogachos com desperdício de boas oportunidades, descambou inexplicavelmente para a mediocridade, para os erros defensivos que só por falta de classe alheia não nos foram fatais, determinando uma exibição cinzenta onde apenas se salva o resultado.

Entendo que este grupo de trabalho tem a obrigação de juntar aos excelentes resultados, espectáculos de melhor qualidade.

Gostei da vitória, já da exibição...

Um abraço

Alex disse...

Mesmo com a exibição de menor nível na segunda parte, este Porto não me desagradou.
O Porto jogou, na minha opinião o q.b. para ganhar. Tenho impressão de que se fosse o Porto teria jogado mais. Fica portanto mais um jogo, mais uma vitória! :)

COSTA disse...

Uma pequena curiosidade:
Após este jogo, e na sua estreia como novo treinador do nosso clube, André Villas-Boas conseguiu 4 vitórias consecutivas em competições europeias.
No FCP apenas António Oliveira alcançou o mesmo feito ao vencer os 4 jogos iniciais da Liga dos Campeões na época de 1996/1997 (época em que Oliveira também se estreou como treinador do FCP).

Outra curiosidade, menos positiva:
O FCP começou o jogo apenas com um jogador português. Não vejo muitos portistas preocupados com este aspecto. Aliás não vejo ninguém a discutir este assunto.
Eu sei que os tempos mudaram… todos os grandes clubes europeus estão cheios de estrangeiros. Mas uma coisa é certa, os grandes sucessos internacionais do FCP foram conseguidos com esquipas na sua maioria formadas por jogadores portugueses.

Parabéns por este blogue!