segunda-feira, 4 de abril de 2011

Reservámos… e comparecemos!

Confesso que não encontrei melhor título para o ‘post’. É uma forma de olhar com algum humor para as circunstâncias que rodearam o clássico da época passada, no Dragão (as reservas para a festa benfiquista foram anuladas por aquela vitória do FC Porto, por 3-1) e o disputado ontem, na Luz. O destino pode ser implacável. Nós reservámos…. e comparecemos! Este é o típico jogo por que um portista de Lisboa, como eu, tantos anos espera. Já tinha visto o FC Porto sair da Luz com o título quase garantido (e já o festejei em Alvalade, no tempo de Bobby Robson e Fernando Santos), no entanto, nunca tinha tido o prazer (e o privilégio!) de ver o FC Porto sagrar-se campeão no estádio do seu maior rival. Um capricho do calendário que será difícil de concretizar nos próximos anos… Foi giro fazer a festa na Luz! É claro que isto causa alguma azia aos maldizentes, quanto mais não seja por surgir menos de um ano depois do Benfica ter desperdiçado idêntica oportunidade de festejar em casa do maior rival. É aqui que surge a cultura de vitória e a mentalidade dos dois clubes. Ontem não estava apenas em causa a capacidade do FC Porto em conquistar o título na Luz, avaliava-se também o brio e a reputação do Benfica. Nesse aspecto, o FC Porto continua a ser melhor! Mas este FC Porto começou em 2009/10, ainda com Jesualdo Ferreira. Foi aquela sequência de 10 vitórias consecutivas e o triunfo (com apenas 10 jogadores) sobre o Benfica, por 3-1, que mostrou que o FC Porto estava vivo e que a cultura de vitória tinha mais força no Dragão do que na Luz. Depois, Villas-Boas aproveitou o que o ‘FC Porto de Jesualdo’ tinha de melhor (o esquema táctico e o hábito de vencer) e acrescentou-lhe uma ainda melhor organização táctica e um futebol ‘à portuguesa’ (privilegiando a posse de bola e o passe curto). Uma equipa de futebol total! Apesar de ter garantido a conquista do título à passagem da 25ª jornada (nota: os últimos 2 títulos que o Benfica conquistou foram ambos garantidos na última jornada!), a verdade é que foi na 10ª, depois dos 5-0 ao Benfica, que o FC Porto deu o primeiro grande “esticão” na Liga. Na altura, os dois clubes ficaram separados por 10 pontos, uma margem mais do que confortável, mesmo para quem ainda tinha que visitar o estádio do seu maior rival. O Benfica nunca conseguiu discutir verdadeiramente o primeiro lugar do campeonato, pelo menos dentro de campo (o contrário do que sucedia nas conferências de imprensa de Jorge Jesus, onde este deixava sempre implícito a iminente ascensão do Benfica ao 1º lugar). Além da diferença pontual, o FC Porto foi sempre mais equilibrado e consistente. Ou seja, esteve sempre mais próximo o aumento da vantagem do que a aproximação do Benfica. Positivo (+): - o campeão foi igual a si próprio: dominador, consistente e equilibrado; Fomos à Luz resgatar as faixas de campeão; - o FC Porto saiu da Luz com o título e com o estatuto de melhor clube do mês de Março, no ‘ranking’ mundial da Federação Internacional da História e Estatísticas do Futebol (IFFHS); - é a 4ª vitória do FC Porto na Luz nos últimos 10 anos em jogos do campeonato nacional: excelente cadência!; Negativo (-): - Jorge Jesus, depois de ter sido o primeiro treinador do Benfica a sair humilhado (5-0!) do Dragão, fica também associado à primeira festa de campeão do FC Porto em pleno Estádio da Luz: da história já ninguém o tira!;

3 comentários:

r.m.silva da costa disse...

Foi lindo ter vivido ontem consigo mais esta noite épica da gloriosa História do nosso Futebol Clube do Porto.!
Quem bom é ser do Futebol Clube do Porto!

Oscar disse...

Grande Porto... nós somos campeoes onde queremos e não onde podemos!


FC PORTO SEMPRE

http://www.youtube.com/watch?v=XBLH9eq937k

Silvestre disse...

Verdadeiramente apoteótico este momento que só nós portistas podemos testemunhar, ali em pleno galinheiro. E que tão bem lhes ficou desligarem o interruptor, a modos de quem atira a toalha ao chão e revela toda a sua pequenez com um gesto revanchista e de mau caracter daqueles que mandam naquela instituição.

Viva o Porto