quarta-feira, 21 de março de 2012

A nossa final é no próximo Domingo!

Pedir ao FC Porto que vencesse na Luz pela 4ª vez consecutiva num espaço de um ano não seria de todo exagerado. No entanto, temos que reconhecer que, tendo em conta a época algo errante que estamos a viver, aquilo que neste momento nos move e cativa é a Liga portuguesa. O FC Porto não pode perder a oportunidade de vencer mais um campeonato. Por tudo e por mais alguma coisa!
Ontem perdeu-se a possibilidade de vencermos a Taça que Lucílio Baptista celebrizou, mas o FC Porto saiu da Luz sem jogadores lesionados e castigados. Minimizámos os estragos!
Vítor Pereira promoveu as alterações que se impunham (só não fez mais porque as lesões e o mercado de Inverno lhe retiraram essa possibilidade) e o FC Porto apresentou-se na Luz com uma estratégia diferente. As ‘poupanças’ não devem ser subestimadas, tendo em conta que em Janeiro o FC Porto teve de reduzir o seu plantel devido ao aumento da folha salarial com duas correcções (Janko e Lucho) que contribuíram para agora liderarmos a Liga. É nessa prova que temos mais uma final para jogar já no próximo Domingo. Se vencermos o Paços de Ferreira chegaremos à 25ª jornada, a do Benfica-Sp. Braga, com vantagem sobre os dois perseguidores que nessa ocasião jogarão entre si.

2 comentários:

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Esta derrota castiga sobretudo os erros defensivos, muito bem aproveitados pelo adversário.

A exibição portista foi aceitável e o resultado mais justo seria o empate.

Gostei da forma como os atletas se bateram, demonstrando querer vencer o encontro.

Não gosto de ouvir os nossos responsáveis e atletas dizerem que o troféu não era prioritário. Acho de uma infelicidade atroz e de pouco desportivismo. Afinal, goste-se ou não do modelo, este também conta para o ranking de títulos que nós ainda lideramos.

Não podemos nem devemos ser tão benevolentes.

Um abraço

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

só para reafirmar que o Mangala tem "apenas" vinte e um anos e com uma enorme margem de progressão. tal como o Kléber - apesar da (aparente) nulidade que evidencia nos últimos jogos em que entrou.

o que gostava de (pres)sentir era o nosso treinador ser capaz de motivar e de rentabilizar a matéria-prima que tem em mãos. e um jogo como o de ontem tinha todos os condimentos para tal.
mais um exemplo: que motivação terá o Iturbe para o que resta da presente temporada?

outra nota:
esta está a ser a antítese da época transacta.
preciso de recuar aos tempos do Ivic e do Carlos Alberto Silva para sentir tanta "estranheza" da nossa massa adepta - e minha, também - para com a equipa do nosso coração...
mesmo assim, ainda «acardito»

somos Porto!, car@go!
«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todas(os) vós! ;)
Miguel | Tomo II