sábado, 3 de março de 2012

«O centralismo da capital tem abatido os foros seculares que o Porto selou com sacrifícios. Lutar contra essa hegemonia deprimente é-lhe um dever».

Hoje escolhi um título (de contornos épicos!) diferente para a crónica do Benfica - FC Porto. A ideia ocorreu-me ao visitar o muito recomendável blog ‘Memória Azul’. O autor da frase que dá título ao ‘post’ é Ricardo Jorge, um conceituado médico, escritor e professor universitário que no início do século XX lutou contra a discriminação de que já nessa altura a cidade do Porto era alvo. Quase 100 anos depois, muito pouco mudou. O Porto continua a ser uma das cidades europeias com maiores níveis de desemprego e desigualdades sociais. Uma causa: o progresso material realizado em Lisboa não se difundiu equitativamente por outras regiões do país. E o poder de compra das populações acaba por acompanhar essa assimetria. É contra esta política de tipo sectorial que o FC Porto deverá continuar a lutar, nem que o faça apenas de forma a proporcionar alguma alegria e alento às pessoas através das vitórias da sua equipa de Futebol. Agora o jogo. Confesso que fiquei algo surpreendido com a postura que o FC Porto apresentou na Luz. Totalmente diferente daquela que havia tido em Alvalade. De facto, para se ser campeão é preciso ser grande nos ‘jogos grandes’. O FC Porto foi. Grandíssimo!!! Numa época em que cometemos alguns erros estratégicos, não deixa de ser notável que consigamos liderar a Liga com 3 pontos de vantagem (na realidade são 4!) sobre o segundo classificado. Isto até é algo embaraçoso para quem sempre quis passar para a opinião pública a ideia de ter um futebol avassalador e vertiginoso. Enfim, aquelas ‘traulitadas’ habituais de Jorge Jesus que a turba benfiquista depressa interioriza! A verdade é que o Benfica começa a ver fugir-lhe pelos dedos da mão um campeonato que dava quase como garantido. O trauma, causado pelas duas derrotas da época passada, bateu forte! E nos últimos 10 anos, em jogos de campeonato disputados na Luz, o FC Porto venceu em 5 ocasiões, empatou 3 e perdeu apenas 2. Sinais dos tempos. Habituem-se!

PS: inacreditáveis as declarações de Jorge Jesus e de Luís Filipe Vieira no final do jogo. Queixarem-se do árbitro depois do que aconteceu no Feirense-Benfica e no Gil Vicente-FC Porto soa a populismo. Tenham vergonha!

3 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

caríssimas(os),

se num Passado recente fui lesto a criticar o Vítor Pereira, hoje e porque não sou ingrato, quero agradecer-lhe pela imensa alegria que me proporcionou.
muitos parabéns!, Vítor!
(também) mereces o resultado do jogo de ontem!

somos Porto!, car@go!
«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todos vós! ;)

Miguel | Tomo II

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Foi um jogo bem conseguido, e, é justo dizê-lo, com uma óptima leitura de Vítor Pereira. Confesso que torci o nariz quando vi Maicon de novo na lateral direita, quando me parecia que deveria iniciar a central para contrariar a maior estatura de Cardozo, em relação a Otamendi. Mas percebi a ideia do treinador. Preferiu o equilíbrio defensivo já que a tendência do constante adiantamento de Palito, aconselhava o outro lateral menos subido. Djalma na esquerda foi nitidamente para compensar os avanços de A.Pereira e tentar travar os de Maxi.

Até nas substituições VP esteve à campeão. Arriscou e petiscou. Eu que não sou um particular fã do treinador dou-lhe os meus parabéns muito sinceros. Espero que este desempenho tenha sido a regra para manter. Se assim for ninguém ousará criticá-lo de novo.

Justa vitória, conquistada com todo o mérito e muita raça. O caminho fica aberto para a renovação do título, mas é preciso manter os pés bem firmes na terra. Há ainda caminho difícil para desbravar. Não percamos a serenidade.

Um abraço

Armando Pinto disse...

Que bem estar senti ao acordar hoje de manhã, depois de uma, mais uma alegria... da noite anterior! (eh, eh, eh) É por estas que a vida ainda tem coisas boas.
http://longara.blogspot.com/