domingo, 11 de novembro de 2007

A «foto do dia» - Tomislav Ivic (1977)

Tomislav Ivic nasceu na Croácia (Split) a 30 de Junho de 1933. Apesar de ter sido um jogador modesto, teve um percurso de relativo sucesso como treinador.
Ivic iniciou a carreira de treinador em 1969 no RNK Split e quatro épocas depois, já ao serviço do Hajduk Split, foi campeão jugoslavo. Como treinador foi campeão em 4 clubes: Hajduk Split, Ajax, Anderlecht e FC Porto.
Chegou ao FC porto na época 1987/88, vindo do Dinamo Zagreb, mas apesar de nas Antas ter vencido 5 troféus (Taça Intercontinental, Supertaça Europeia, Campeonato Nacional, Taça de Portugal e Supertaça), a verdade é que nunca lhe foi reconhecido muito mérito nessas conquistas porque herdara a equipa campeã da Europa com Artur Jorge.
Tomislav Ivic foi sempre considerado pela imprensa, e pelos adeptos, um treinador demasiado conservador e defensivo. Em 87/88, quando orientou o FC Porto campeão europeu, Ivic chegou a ensaiar um sistema de três defesas. Foi em Setúbal numa partida com muitos golos (4-4). Nesse jogo, o FC Porto alinhou com 3 centrais: Geraldão, Eduardo Luís e Celso. Sem automatismos, nem vocação para jogar nesse sistema, a equipa foi incapaz de se encontrar permitindo 4 golos ao Vitória e garantindo o empate graças à presença de Rui Barros e Madjer no ataque. Apesar da má experiência em Setúbal, Ivic voltaría a repetir a "brincadeira" na segunda passagem pelo FC Porto em 1993/94. Foi na segunda mão da eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões frente ao Feyenoord. Depois da vitória nas Antas por 1-0 (golo de Domingos) o FC Porto apresentou-se na 'Banheira de Roterdão' com Aloísio, Jorge Costa, Zé Carlos e Fernando Couto! Um autêntico comboio em frente à baliza! Reparem no "onze" utilizado nessa partida: Baía, João Pinto, Zé Carlos, Fernando Couto, Aloísio, Jorge Costa, Rui Jorge, Secretário, Semedo, Jaime Magalhães e Kostadinov. Inevitavelmente, o jogo acabou empatado a zero seguindo o FC Porto para a fase de grupos. Mas nessa segunda passagem pelas Antas, o sucesso nada quis com Ivic que acabou por ser substituído a meio da época por Bobby Robson. Depois de sair do FC Porto não mais voltaría a ser campeão, vencendo apenas um troféu (Taça de Espanha) ao serviço do At. Madrid. O último clube que orientou foi o Olympique de Marselha na época 2001/02.
Nesta foto, surge ao serviço do Ajax pelo qual se sagrou campeão holandês na época 1977/78.

2 comentários:

Adriano Correia disse...

Sou capaz de deixar de bôca aberta muitos amigos correlegionários... portistas:

Para mim (que já vejo o FC Porto desde Yustrich - 1955, com 7 anos de idade), Ivic foi dos... piores treinadores que conheci.

Só isto.

Foi o único que (apesar da vitória)
vi ser vaiado por todo o Estádio Nacional aquando de uma final da Taça de Portugal, precisamente na função de treinador do FC Porto.

E... pelos adeptos portistas.

Atenção que nada tem a ver com a célebre frase... «Gomes finito», que concordei.

Anónimo disse...

Do pouco que me lembro de Ivic como treinador do FCP, julgo que pode ser comparado ao Jaime Pacheco, futebol defensivo com pouca qualidade.