terça-feira, 3 de novembro de 2009

«Curiosidades FCP» - O FC Porto de Fernando Riera

Hoje, nas «Curiosidades FCP», vamos recuar a uma das épocas do longo jejum de 19 anos que o FC Porto atravessou sem vencer o campeonato nacional. Recordamos a época 1972/73, que ficou marcada por nova tentativa de, através de mais um treinador conceituado, devolver o FC Porto aos títulos.
Nessa época, o escolhido da direcção já liderada por Américo de Sá foi o chileno Fernando Riera (em cima, na foto). Este carismático técnico sul-americano chegou ao FC Porto depois de já ter orientado outros dois clubes portugueses, o Belenenses e o Benfica (levou o nosso maior rival a uma final da Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1962/63).
No FC Porto, a «travessia do deserto» já se prolongava por 13 anos (desde o título com Béla Guttmann, em 1958/59) e as experiências com técnicos conceituados sucediam-se sem qualquer sucesso. Otto Glória, Flávio Costa, Elek Schwartz e Tommy Docherty, entre outros, foram alguns dos treinadores que entretanto tinham passado pelo clube sem conseguirem o tão desejado título nacional. Assim, as esperanças dos adeptos portistas viraram-se para o homem que orientava o Boca Juniors (Argentina).
Riera havia sido o primeiro futebolista chileno a jogar na Europa (Stade de Reims e FC Rouen) e a sua experiência como técnico era uma garantia para os responsáveis do FC Porto, que estavam dispostos a oferecer cerca de 1000 contos por ano ao chileno para orientar a equipa.
No entanto, para reconquistar o título, ao FC Porto não bastava contratar um técnico conceituado, pois necessitaria também de superar o Benfica, de Humberto Coelho, Toni, Simões, Nené, Artur Jorge e Eusébio, entre outros.
Para responder a esse fortíssimo plantel encarnado, o FC Porto também teve necessidade de ir ao mercado. Flávio (em cima, na foto) tinha chegado ao clube na época anterior e, nessa altura, era uma das estrelas da Selecção do Brasil. O avançado brasileiro havia sido contratado ao Fluminense, por 2375 contos, um valor altíssimo para a época, mesmo para os mais abastados clubes europeus. Ainda assim, a sua influência foi notória, sagrando-se o melhor marcador do FC Porto no campeonato, com 21 golos, e formando com Abel (em baixo, na foto) uma das melhores duplas de ataque do FC Porto durante toda a década de 70.
A época do FC Porto começaria de forma auspiciosa com uma surpreendente dupla vitória sobre o Barcelona, em Setembro, na 1ª eliminatória da Taça UEFA. Na 1ª mão, o FC Porto superiorizou-se aos catalães com uma vitória por 3-1 (2 golos de Abel e 1 golo de Flávio), enquanto que no segundo jogo, o 'Barça' seria surpreendido no 'Camp Nou' com nova vitória do FC Porto, desta vez por 1-0 (golo de Abel).
No entanto, tudo mudou quando o FC Porto visitou a Luz, a 5 de Novembro de 1972. Depois de estar a vencer por 0-2, o FC Porto permitiria que o seu maior rival desse a volta ao marcador e vencesse por 3-2! No final, Fernando Riera não continha a insatisfação com o trabalho do juiz da partida: «só fomos derrotados pelas incongruências do árbitro!».
Depois disso, o FC Porto nunca mais se encontrou, acabando por perder preciosos pontos que o Benfica, de Jimmy Hagan, tratou de aproveitar. Ainda assim, ficou a consolação do FC Porto ter sido a primeira equipa a obrigar o Benfica a perder pontos na prova. Foi na 24ª jornada, quando os benfiquistas visitaram as Antas e não foram além de um empate (2-2).
Depois do descalabro no campeonato (o FC Porto terminaria a prova no 4º lugar, atrás de Benfica, Belenenses e Vit. Setúbal), seguiu-se a eliminação das provas europeias. Apesar de ter eliminado o Barcelona e o Brugge, nas duas primeiras eliminatórias da Taça UEFA, o FC Porto deixaria a competição nos Oitavos-de-final, com uma dupla derrota frente ao Dynamo de Dresden, da ex-RDA.
Consumada a eliminação das provas europeias e o afastamento precoce da luta pelo título, para o 'FC Porto de Fernando Riera' sobrava apenas a Taça de Portugal, que terminaria em Maio, com uma embaraçosa eliminação nos Quartos-de-final da prova, frente ao Farense (1-0).
No final da época, acabou por haver muito pouco que o FC Porto pudesse recordar. De consolação, sobrou apenas a fantástica cumplicidade que a dupla Flávio-Abel conseguiu atingir. No campeonato, estes dois avançados foram responsáveis por 38 dos 56 golos que o FC Porto apontou na prova (Flávio marcou 21 golos e Abel apontou 17).
Uma curiosidade: Abel e Flávio foram responsáveis por todos os golos que o FC Porto marcou naquela edição de 1972/73 da Taça UEFA. Abel marcou 3 golos ao Barcelona, 3 golos ao Brugge e 1 golo ao Dynamo de Dresden, enquanto que o seu colega de sector marcou por uma vez ao Barcelona e por duas vezes ao Brugge. No total, a dupla de ataque do FC Porto apontou 10 golos naquela edição da prova. Notável!
Apesar da época do FC Porto ter sido sofrível, também foi nesse ano que o clube começou a ver o talento de Pavão reconhecido no estrangeiro. Algo surpreendentemente, o Manchester United colocou o centro-campista do FC Porto na lista de futebolistas que eram hipóteses para substituir o carismático Bobby Charlton (julgo que nos dias de hoje, o perfil de Pavão seria certamente muito apreciado pelo actual técnico do United, Sir Alex Ferguson).
Quanto a Fernando Riera, deixaria o FC Porto no final dessa época para representar o Deportivo da Corunha. Bela Guttmann, o responsável pelo último título, foi o escolhido para substituir o chileno.
Em cima, na foto, recuperámos um dos «onzes» que Fernando Riera utilizou naquela época.
Em cima (da esq. p/ dta): Guedes, Pavão, Valdemar, Rolando, Gualter e Rui;
Em baixo (da esq. p/ dta): Celso, Abel, Flávio, António Oliveira e Malagueta;

2 comentários:

Me myself and I disse...

excelente

António disse...

Parabéns acompanhei muitos jogos dessa equipa.
Em tempos difíceis como eram foi o inicio do virar de pa´gina.