sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Isto começa a entusiasmar!

A semana super-exigente do FC Porto, com 3 jogos em apenas 7 dias (U. Leiria, Vit. Setúbal e Shakthar Donestk), está a correr melhor do que se esperava. Não tanto pelas duas últimas vitórias (era obrigatório vencer U. Leiria e Vit. Setúbal), mas por se notar um claro progresso em relação às primeiras exibições da época. Há mais concentração, frescura física e comprometimento com o jogo. E o adversário de ontem tinha tudo para ser chato (e foi, pelo menos enquanto os postes deixaram!), pois o Vitória, além de ser uma equipa que manteve a sua ‘espinha dorsal’, tem no seu plantel muitos jogadores com experiência na primeira Liga e apresentou-se no Dragão sem a ‘pressão dos pontos’. O 0-0 ao intervalo até gerou alguma impaciência nas bancadas, mas é nestas alturas que se vê se uma equipa está unida e ao lado do seu treinador. Foi espectacular a mobilização de toda a gente! O FC Porto pareceu uma daquelas antigas e pesadas locomotivas: demorou a arrancar, mas depois arrastou tudo à sua frente! Agora, segue-se o Shakthar Donestk. Se olharmos para os mais recentes resultados europeus dos ucranianos (na época passada venceram o Arsenal, ficando em 1º lugar na fase de grupos, e eliminaram a Roma, nos ‘Oitavos’, com um ‘goal average’ de 6-2!) concluímos que o FC Porto terá de ser forte na terça-feira. Jogo difícil!
Positivo (+): - numa fantástica e contagiante exibição colectiva, é difícil destacar alguém, mas vou nomear 4 ‘homens do jogo’: Belluschi, Defour, Moutinho e James Rodriguez; Este quarteto partiu tudo! - a empatia entre a equipa e os adeptos continua em alta; neste momento, com o entusiasmo que transmitem, os adeptos são um aliado perfeito para quem ainda não atingiu a plena forma; - foi bom regressar ao melhor relvado do país depois de vários jogos disputados em relvados em péssimas condições (Guimarães, Mónaco e Marinha Grande);
Negativo (-):- fez um jogo combativo e de muita entrega, mas Cristian Rodriguez continua a parecer um corpo estranho nesta equipa do FC Porto: quando em posse da bola toma quase sempre más decisões e o seu futebol arrastado e pastoso dificulta a fluidez de jogo;

3 comentários:

Armando Pinto disse...

O melhor de tudo é a confiança que esta equipa está a dar. Como exemplo (e por não poder estar presente, nem podendo sequer ver na tv), quando soube o resultado ao intervalo (o que noutras alturas dava para nervoso miudinho) só pensei, tal a confiança, que no segundo tempo tudo se resolvia e bem, faltando só entrar a primeira bola (golo)para o resto vir por acréscimo... como aconteceu.

Como só vi as imagens à posteriori, limito-me a inteirar-me de tudo e mais alguma coisa pelos blogs amigos e pelo Porto Canal, feliz com mais esta vitória.

colunazul disse...

Boa tarde Ricardo,

Ontem mais uma vez mostramos a equipa que somos e tudo o que podemos fazer ao longo de todo o ano. Já estivemos bem melhor, temos trabalhado bem e caminhamos a passos GIGANTES para grandes sucessos.

Analisando a equipa:

Fomos bons, superiores...fomos PORTO! Mais uma exibição de enorme dignidade do Hélton, a experiência sempre a vir ao de cima, a "rebeldia" sempre presente e a qualidade inegável. Não sei se irá acabar a carreira no Futebol Clube do Porto ou no Vasco da Gama, a verdade é que terá a gratidão eterna por tudo o que aqui fez e será recordado como um dos melhores guardiões da história do clube. Tivemos vários excelentes mas este está num dos primeiros lugares. Álvaro Pereira ontem pareceu-me chateado com o Mundo. Mandou vir muitas vezes (com ou sem razão)... apesar disso não foi mau. Errou em alguns passes, falhou alguns cruzamentos mas está sempre lá. Sobe e desce no corredor como ninguém e esperemos ter este uruguaio o mais depressa possível como na época passada. Jorge Fucile, Jorge Fucile...é mais uma das mais valias dos corredores e bate o Sapunaru em quase todos os factores. Quase... porque não o bate num e no mais importante. Na parte defensiva tem de estar mais atento, mais seguro e não se adiantar tanto para depois se esquecer de vir atrás. Aí o romeno é superior. Mesmo assim foi positivo.

Rolando é o patrão da defesa e mais nada. No futuro e quando ele sair, podemos ter o Otamendi mas neste momento assume o lugar como ninguém. Seguro, sobe bem nos cruzamentos, ataca bem nos cantos e é uma voz de liderança lá atrás. Ontem fez mais uma excelente partida e ainda mandou uma bola à trave. Fico muito contente por não ter saído. Maicon? Estou cansado do brasileiro. Cansado, muito cansado. Muito inseguro, muito limitado...Pensei que no passado iria ter uma maior evolução mas pelos vistos não. Não se deve aguentar muito. O único factor que o pode ajudar é a idade mas mesmo assim os anos vão passando e se continuar assim, pode bem dizer adeus ao Futebol Clube do Porto.

A titularidade no meio-campo surpreendeu-me. Pensei que ia ser o Fernando a actuar a trinco (ainda pela que foi o Souza) e o Steven Defour, claro. Tiveram os quatro bem, com o maior destaque para o argentino, o belga e depois o internacional português. João entrou mais tarde e mostrou o porquê da sua intocável titularidade e ainda juntou um golo, Belluschi mostrou garra, força de vontade, atitude e abriu vários espaços, principalmente na fantástica abertura na jogada do golo do James. O Defour nota-se que é o menos ambientado mas mesmo assim já se faz notar. Mostrou que será uma opção mais do que válida e acredito que também ele vai lutar pelo lugar na titularidade.

O que mais me desiludiu infelizmente foi o Kléber. Acho-o um fantástico avançado e muito lutador mas ontem esteve muito abaixo. Teve pouca bola, procurou mas não conseguiu, ainda batalhou e teve o maior destaque no remate à trave da baliza de Diego. Fora isso...pouco, pouco, pouco! Cristián Rodríguez continua a tentar mostrar o porquê de ter ficado e está no bom caminho. Excelente frente ao Barcelona e ontem mostrou atitude e garra, características do internacional uruguaio. Gostei do que vi e espero continuar a ver. James? Começo mesmo a ficar sem palavras para o que este rapaz, note-se de apenas 20 anos faz. Já joga como se fosse o mais experiente de todos, dá grandes lições a muitos, mostra tudo e mais alguma coisa...QUE FUTURO BRILHANTE QUE POR AÍ VEM! Hulk? A única palavra para ele neste momento é o nome que todos lhe chamam. INCRÍVEL! Djalma? Dez minutos em campo mas não mostrou muita coisa. Mesmo assim é uma boa opção para o banco de suplentes.

Terça-feira já há novo embate e temos de estar todos preparados. SOMOS PORTO!

Cumprimentos,
Nuno Oliveira

Dragaopentacampeao disse...

Jogo com algumas dificuldades iniciais, sobretudo na conquista de espaços da manobra ofensiva, de algum modo superadas depois dos vinte minutos iniciais.

Depois foi uma exibição em crescendo, com belos nacos de futebol fluído, dinâmico, inteligente e por vezes belo.

O segundo golo foi, para mim, o corolário do melhor, explanado em campo. Lance corrido, simples, muito bonito e eficaz, ao melhor estilo do famoso Tiki-Taka catalão.

O 3-0 final acaba por não reflectir a gritante diferença de nível das equipas nem faz jus à qualidade do futebol ofensivo portista bem como às enumeras oportunidades desperdiçadas. Só a barra desfez três dessas oportunidades!

Um abraço