segunda-feira, 5 de outubro de 2009

«Curiosidades FCP» - Os «três diabos do meio-dia»

Hoje, aproveitando os 100 anos do nascimento de Pinga (à direita, na foto), vamos recordar a 'sociedade' que o primeiro grande talento do futebol português formou com Acácio Mesquita (ao centro, na foto) e Valdemar Mota (à esquerda, na foto), os célebres «três diabos do meio-dia», um trio que marcou uma época no futebol português mas que nunca teve o devido destaque e reconhecimento por parte da imprensa indígena. Valha-nos o Eusébio e os «cinco violinos» para alimentar o saudosismo...
A chegada de Pinga ao FC Porto, em Dezembro de 1930, foi fundamental para os títulos que o FC Porto conquistou nessa década e para o despontar daquele trio de jogadores. O célebre médio/interior-esquerdo do FC Porto representou o clube durante 16 anos, tendo participado em mais de 400 jogos. Durante esse período, foi o ele o grande responsável pelos títulos conquistados pelo clube a nível nacional.
Nos anos 30, o FC Porto sagrou-se campeão nacional em 3 ocasiões (com Joseph Szabo, em 1934/35, e com Mihaly Siska, em 1938/39 e 1939/40) e venceu o Campeonato de Portugal (actual Taça de Portugal) por duas vezes (com Joseph Szabo, em 1931/32, e com François Gutkas, em 1936/37).
Além de ter sido a grande referência do FC Porto e do futebol português durante os anos 30 e início da década de 40, Pinga também se tornou num maiores goleadores de sempre do nosso futebol. Os 394 (!) golos que apontou, em cerca de 400 jogos com a camisola do FC Porto, colocam-no ao lado de outros grandes nomes da história do clube, como Costuras, Slavkoo Kordnya, António Araújo, Fernando Gomes, Domingos e Mário Jardel, entre outros.
A esta impressionante veia goleadora de Pinga (em baixo, na foto), o FC Porto teve a felicidade de juntar, no mesmo período, a de outros dois super-atletas que também marcaram a história do clube no início do séc. XX, Acácio Mesquita (em cima, na foto) e Valdemar Mota. O primeiro também foi um praticante de atletismo, tendo-se sagrado Campeão Regional de triplo salto, salto em comprimento, 110 metros barreiras e 4 x 100 metros. Além do Futebol e do Atletismo, o conceituado ponta-de-lança do FC Porto também mostrava habilidade noutra modalidade, o Basquetebol.
Quanto a Valdemar Mota, ficou na história por ter sido o primeiro atleta olímpico do FC Porto a representar Portugal (4º lugar) nos Jogos Olímpicos de Amesterdão, em 1928. Uma curiosidade: este antigo médio/extremo-direito do FC Porto chegou a contracenar (!) com a famosa Beatriz Costa, num dos primeiros filmes produzidos em Portugal.
Foi por alturas do Natal de 1933 que surgiu a alcunha «três diabos do meio-dia». Aquele trio de jogadores foi assim apelidado depois do FC Porto ter defrontado e vencido algumas das melhores equipas da Europa em jogos disputados às 12h, um horário usual para a época.
Pinga, Acácio Mesquita e Valdemar Mota (em baixo, na foto) começaram por ser os grandes protagonistas de um jogo que o FC Porto disputou frente à Selecção de Budapeste. A poderosa equipa húngara andava em digressão pela Europa e acabou por ser surpreendida pelo FC Porto, que venceu esse jogo por 7-4. Apesar do entendimento entre o trio do FC Porto ter, logo aí, chamado a atenção das pessoas, foi necessário aguardar mais alguns dias para a cumplicidade entre os «três diabos do meio-dia» atingir o brilhantismo que os levou a ser assim apelidados.
Foi em jogo frente ao 'First de Viena', uma das equipas mais célebres daquele tempo, que os três jogadores do FC Porto viram confirmada a reputação de que já gozavam. Foram eles os maiores responsáveis pela vitória do FC Porto, por 3-0, sobre aquela equipa austríaca.
A harmonia entre os «três diabos do meio-dia» atingiria o seu ponto mais alto em 1934/35, época que marcou a primeira vitória do FC Porto no campeonato nacional. A equipa comandada por Joseph Szabo terminou a prova com 43 golos marcados num campeonato disputado por apenas 8 equipas. Para essa média superior a 3 golos por jogo muito contribuíram aqueles três jogadores (nota: Pinga seria mesmo o melhor marcador do campeonato nacional na época seguinte, com 21 golos).
Os «três diabos do meio-dia» formaram a primeira 'sociedade' de sucesso na história do FC Porto. Pinga, na véspera da sua despedida como jogador de futebol, confirmou-o: «Nós os três... Aquilo é que era jogar... Que desculpem a vaidade, mas parece-me que nunca mais se arranjam três rapazes da bola tão intimamente ligados a acertar na 'borracha'. Se até nós, às vezes, nem sabíamos como aquilo era...».
Em cima, recuperámos uma foto de um «onze» do FC Porto que venceu o Campeonato de Portugal em 1931/32 e onde surgem os «três diabos do meio-dia».
Em cima (da esq. p/ dta): Francisco Castro, Pinga, Carlos Mesquita, Álvaro Sequeira, Lopes Carneiro, Valdemar Mota, Álvaro Pereira, Pedro Themudo e Joseph Szabo (treinador);
Em baixo (da esq. p/ dta): Mihaly Siska, Avelino Martins e Acácio Mesquita;

1 comentário:

WRC disse...

Impecável! Os três diabos do meio-dia, apenas é pena não existirem imagens corridas desse trio lendário do FC Porto e de Portugal.