terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

O «cromo do dia» - Costinha

Francisco José Rodrigues da Costa, mais conhecido como Costinha, nasceu em Lisboa a 1 de Dezembro de 1974. Ficará para sempre na história do futebol português depois da sua carreira ter dado uma autêntica cambalhota, quando deixou a II Divisão B para jogar no AS Mónaco (na foto), de França.
Na época 1997/98, quando ainda era um desconhecido no futebol português, deixou o Nacional da Madeira, na altura na II Divisão B, para jogar na I Liga francesa. O mais surpreendente é que duas épocas depois seria campeão françês, sem nunca ter jogado na primeira divisão portuguesa.
Mas os primeiros tempos em França não foram fáceis, Costinha recorda frequentemente um episódio nos primeiros dias no clube monegasco: "Fui para o Mónaco, comecei a treinar e lesionei-me na primeira sessão. Se calhar, esse foi o momento determinante para ter ficado. Magoei-me na virilha e quando estou no quarto a descansar, à espera do dia seguinte, entram o Bernabia e o John Collins, olham para mim, depois um para o outro e dizem: «português, turista». Fiquei tão sentido que me levantei, e no dia seguinte estava a treinar, de manhã e à tarde."
Antes de chegar ao Nacional da Madeira, Costinha representou o Oriental e o Machico. Foi ao serviço do Machico, também da II Divisão B, que chamou a atenção dos responsáveis do Nacional que, na época 1996/97, o contrataram ao vizinho madeirense.
Costinha regressou de França em 2001/02, quando surgiu o convite do FC Porto para se estrear na primeira Liga portuguesa, o que lhe permitiu vencer mais títulos do que aqueles que tinha conquistado até então. No FC Porto, foi campeão nacional, venceu a Taça de Portugal, a Supertaça, a Taça UEFA, a Liga dos Campeões e a Taça Intercontinental. Depois de se impor na equipa do FC Porto, acabou por ser considerado um dos jogadores mais influentes do balneário. Para isso muito contribuiu a proximidade com um dos mais carismáticos capitães do FC Porto de toda a história do clube: Jorge Costa. Quando questionado se Jorge Costa foi uma grande influência, comentou: "Em Belém, a perdermos por 1-0, o Jorge Costa chega ao balneário ao intervalo e diz: se eu perco o jogo com estes gajos nunca mais jogo futebol na minha carreira. Ficámos a olhar para ele, todo vermelho e enervado, e ganhámos por 3-1".
Em 2005, Costinha seria um dos alvos do Dínamo de Moscovo que, além do trinco português, levou Nuno, Maniche, Seitaridis e Derlei para a Rússia. Nos cofres do FC Porto entraram mais de 30 milhões de euros.
Actualmente, Costinha representa a Atalanta de Bérgamo, depois de uma aventura em Espanha ao serviço do At. Madrid.

1 comentário:

Cajó disse...

Que belo sarrafeiro! O que o safa é ser sportinguista...