segunda-feira, 12 de novembro de 2012

A ressaca ‘pós-Champions’


O FC Porto continua a capitalizar o bom momento que atravessa somando vitórias e bom futebol. Os jogos de campeonato ‘pós-Champions’ trazem quase sempre dificuldades inesperadas (nem sempre é fácil mudar o chip, pois baixam os níveis de motivação e, consequentemente, a concentração e a entrega). Contudo, tendo a Académica estado também envolvida na semana europeia (jogou apenas 72 horas antes), isso acabou por igualar a disponibilidade das duas equipas em termos físicos e mentais. A Académica manteve o bom posicionamento e a disciplina táctica (uma característica vincada das equipas de Pedro Emanuel), mas neste momento isso não é suficiente para parar este FC Porto.
Julgamos que neste momento já é justo falar-se numa ‘era Vítor Pereira’ depois daquela indefinição em que o FC Porto viveu na época passada (a saída tardia de Villas-Boas e algumas birras e amuos adiaram o início de um novo ciclo). 

Ontem, a Académica não permitiu que o FC Porto se divertisse tanto como no jogo contra o Marítimo. Teve que ser um FC Porto mais sério e menos exuberante. Mas na 2ª parte, para desbloquear o jogo, bastou somar um pouquinho de velocidade à boa posse de bola do primeiro tempo.
Uma nota à parte para o relvado do Dragão: o FC Porto pode mesmo ter aqui um problema. Isto é uma ‘bola de neve’: joga-se mais devagar, os jogadores aumentam o esforço e agrava-se o risco de lesões. A resolver depressa!
Agora, segue-se a visita a Braga. A vitória do Benfica em Vila Conde deixa-nos sem margem para qualquer escorregadela. E como o campeonato está numa fase de afirmação em termos de posições na tabela classificativa (só o Sporting teima em baralhar as coisas), não nos resta outro alternativa senão vencer em Braga para mantermos a liderança.

2 comentários:

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Vitória justa num jogo em que o desempenho portista ficou dividido pelo menos bom (1ª parte) e razoável (2ª parte).

Esta equipa já demonstrou ser capaz de impor um futebol bonito e eficaz, contudo, nem sempre está disposta a executá-lo. Mérito dos adversários? Algum sim, mas sobretudo culpas próprias. Sei que há factores que vão determinando melhores ou piores performances. Ainda assim acho que esta equipa tem tanta qualidade que me custa ver jogadores a caírem com facilidade em vulgaridades inexplicáveis. Claro que não estou à espera que saia sempre tudo bem, isso não é possível, mas de um futebol seguro, com bola bem trocada, rápido e enleante, ainda que bem contrariado pela organização defensiva adversária, até um futebol trapalhão, sem ideias, pastoso, primário, vai uma grande diferença. Foi essa a diferença entre o Porto de momentos da 2ª parte e o Porto de toda a 1ª parte.

Um abraço

alex disse...

Desde aquele célebre jogo de Madrid em que o Sousa jogou para trás e deitou tudo a perder têm sido muitos os dissabores que o FCP tem sofrido por certos jogadores jogarem par atrás sem terem a certeza do quem está lá atrás. O golo da Académica só foi possível porque um jogador do FCP,tendo todas as condições para jogar para a frente decidiu, inexplicavelmente, voltar-se para trás e ir meter-se no meio dum cacho de adversários...