domingo, 24 de maio de 2009

«Curiosidades FCP» - O nascimento do Hóquei em Patins

O Armando Pinto enviou-nos mais um texto sobre o FC Porto. Desta vez, escolheu o Hóquei em Patins como modalidade a abordar, elaborando um breve resumo da história da secção, desde os primórdios até aos dias de hoje.
"O Hóquei em Patins entrou no FC Porto na década de quarenta, tendo sido em 1944 que o clube «tomou parte em provas oficiais, inscrevendo-se em todos os torneios regionais…» Constituíam a “equipa da fundação” os hoquistas António Castro Lacerda, Álvaro Almeida, António Joaquim Costa, António Brandão, Gualdino Leite, José Arches Carvalho, Delmiro Silva e Alberto Lima Ruella». Contudo, a sua existência sofreu, de permeio, uma interrupção nas actividades, tendo a secção sido depois reactivada já a meio da década de cinquenta, por exigência dos sócios, «a pedido do público e até dos clubes adversários», devido ao fascínio que sua prática despertava no pais a nível da selecção nacional e por reconhecimento de necessidade «da presença duma equipa portista nas competições, com vista a poder ser desenvolvida a modalidade…» Assim, só na década de cinquenta foram obtidos os primeiros títulos, tendo em 1955 sido conquistado o Metropolitano da 2ª Divisão, ascendendo por isso à 1ª Divisão (do campeonato dos clubes do continente, havendo depois uma fase final com as equipas do Ultramar). Constituíam a equipa da época (do Metropolitano da II Divisão), entre outros, Campos (que veio do Paço de Rei), Luís Sousa Mota (do Paredes), Acúrcio Carrelo, Ruben Lopez, Morais e Abílio Moreira.
Com a curiosidade de então estarem incluídos dois hoquistas-futebolistas, Acúrcio Carrelo e António Morais, os quais acumulavam a prática hoquista com o futebol (sendo então Acúrcio guarda-redes da equipa principal e Morais reservista também da formação futebolística do FC Porto), mais um aderente hoquista-basquetebolista, Ruben Lopez (este por sinal até jogador-treinador do basquetebol portista, nesse tempo). Acúrcio Carrelo foi, ainda, o 1º internacional do clube nesta modalidade, tendo em 1957 feito parte da selecção portuguesa presente no Torneio de Montreux, marcando inclusive 6 golos; e depois no Europeu, nesse mesmo ano em Barcelona, onde fez 2 golos; sendo por fim seleccionado para a Equipa da Europa que defrontou a Espanha, em cujo prélio contribuiu com 3 dos cinco golos dessa turma do chamado “Resto da Europa”. A carreira desse avançado Carrelo do hóquei não foi mais além, porém, por entretanto ter acabado essa dupla função com a chegada do profissionalismo ao futebol, enveredando Acúrcio apenas pela sua prestação como guarda-redes do futebol portista, entre outras situações, como aconteceu também com Morais (e ainda Pinho, igualmente “nosso” guardião de futebol, que ao tempo também acumulara na defesa da baliza do Andebol azul e branco).
Evoluiu a modalidade no clube com reforço da equipa já nos inícios da década de sessenta, ingressando na modalidade Joaquim Leite, oriundo do hóquei em campo do clube e durante algum tempo também atleta que acumulou as duas modalidades, mais Alexandre Magalhães, Brito, e outros, até que a meio da mesma década apareceram jovens valores como Hernâni e Cristiano. Começando a afirmar-se o hóquei portista no panorama nacional, sobremaneira ao atingir alto patamar com a conquista do “Metropolitano” da 1ª Divisão em 1969.
É dessa fornada a formação perpetuada na imagem que se junta, em cujo verso da mesma foto ficaram impressos os respectivos autógrafos (em cima). Equipa que posou à posteridade, vendo-se no 1º plano, a contar da esquerda: J. Leite, João de Brito, Cristiano, Castro e Ricardo. Em pé, a partir da esquerda: Hernâni, Zé Fernandes e António Júlio. A partir daí o hóquei foi crescendo dentro do clube, sempre na disputa dos primeiros lugares, até que, depois de sucessivos anos em que o título nacional fugira por “uma unha negra”, em 1981/82 houve conquista da europeia Taça dos Vencedores das Taças e em 1982/83 foi obtido o 1º lugar no Campeonato Nacional, acrescentando nesse ano mais outra Taça das Taças da Europa. Desde então o clube habituou-se a ser Campeão Nacional, com forte hegemonia (quantos os demais títulos nacionais, a totalizar 17… até ao próximo). Juntando mesmo títulos de Campeão Europeu (1985/86 e 89/90), Taça CERS (1993/94 e 95/96), Supertaça Europeia/Taça Intercontinental (1985/86), mais Taças de Portugal (12 até ver…), Supertaça Nacional (16, por ora), etc. e tal…!
Tendo passado pelas fileiras de Campeões grandes nomes da modalidade, atletas que de Dragão ao peito deram grandioso contributo para tal galeria de troféus, tais foram, entre tantos, uns Domingos, Vale, Vítor Hugo, Vítor Bruno, Franklim, Tó Neves, Realista, António Alves, Filipe Santos, Reinaldo Ventura, etc. etc. etc."
Armando Pinto, 24 de Maio de 2009

12 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Ricardo Vara:


VERDADEIRAMENTE ESPECTACULAR...

FALTOU REFERIR O NOME DE PINTO DA COSTA COMO SECCIONISTA DA CÉLEBRE EQUIPA (CAMPEÃ METROPOLITANA - HO JE NACIONAL).

TINHA JÁ, NA ÉPOCA ANTERIOR, TB SIDO SECCIONISTA DO HOQUEI CAMPO, ENTRETANTO EXTINTO NO SEU «REINA DO» COMO... PRESIDENTE E PARA DES GOSTO DO IRMÃO QUE, INCLUSIVÉ, DEI XOU DE, POR CAUSA DISSO, SER ASSO CIADO DO CLUBE.

COMO TEMOS «DITO»:

À FALTA DE MUSEU VALHA-NOS ESTES BLOGS.

PARABÉNS E UM ABRAÇO!

Anónimo disse...

Ainda a famoso foto da equipa:


Falta o capitão de equipa, o Maga lhães.

Futuro dirigente do Clube... Ale xandre Magalhães.

E padrinho de baptismo do outro... Alexandre (Pinto da Costa).

Porque aqui falta? Estaria lesio nado? Estaria na "escolha" do cam po?

Estranho, não é?

Carlos Teixeira disse...

Este fim de semana foi mesmo de conquistas, pois além da materialização do Tetra em futebol, também se deu mais um passo no de Andebol e houve feliz começo no do Hóquei em Patins. A propósito,veio a cair bem esta apresentação do historial. Não sabia sinceramente de tamanhos pergaminhos, do Acúrcio Carrelo, por exemplo, até da conquista de um antigo campeonato chamado Metropolitano, quando Portugal ainda tinha as províncias ultramarinas. O nosso hóquei, presentemente com grande palmarés, tem presente e futuro, mas afinal também um passado grandioso. Ao que os títulos ainda a conquistar este ano se irão juntar, de certeza.
No nosso horizonte, para já, está o possível jogo decisivo do andebol e depois a Taça de Portugal, no próximo domingo.
"O Porto alimenta-se de vitórias"!

armando disse...

O Alexandre Magalhães não está na foto porque, se bem se recordam, esta foto foi já da fase de transição de uma época para a outra, entre a 69 da referida conquista, para a de 70, e como tal havia assumido já o lugar de treinador-jogador, inicialmente, e depois só treinador... Mas consta o seu autógrafo, que é o primeiro (em cima), precisamente por isso. Nada de estranho, até porque o autor deste trabalho sempre nutriu grande admiração e apreço pelo sr. Alexandre Magalhães, como hoquista e mais tarde Vice-presidente da Direcção (ficando célebre a sua ida a Lisboa no "raid" da vinda do Futre... como ainda o I Congresso das Filiais e Delegações do FCP - apenas que o que conta para nós é o F C Porto e não os bastidores).
Não se deu essa explicação, aquando da composição, para evitar de tomar extenso o post, como também se prescindiu de outras notas - como, por exemplo, que entre os diversos atletas que praticaram mais que uma modalidade no clube, entre os mais famosos das respectivas épocas,houve por exemplo também o caso do Carlos Vieira, extremo-esquerdo da nossa equipa principal de futebol, de finais dos anos 40 à década de 50, ao mesmo tempo recordista de atletismo; como João Lopes Martins foi eclético desportista, praticante de futebol, basquetebol, andebol, râguebi, natação, hóquei e atletismo. Assim como não referimos, por ser um resumo, obviamente, que o Cristiano entrou na equipa sénior aos 16 anos, em 1966 / 67, e em 1968 foi internacional júnior, enquanto em 1969 jogando ainda pela selecção nacional de juniores, foi logo no mesmo ano, também, já internacional na de seniores. Tendo depois tido uma carreira consagrada, como se sabe, quer como atleta e depois treinador e selecionador. E tantos assuntos mais se poderiam anotar, mas tornriam demasiado longo o apontamento.
Fico grato pelas apreciações e sobretudo por ser útil ao Portismo que interessa.
Armando Pinto

Anónimo disse...

«... O Alexandre Magalhães não está na foto porque, se bem se recordam, esta foto foi já da
fase de transição de uma época para a outra, entre a 69 da referida conquista, para a de
70 ...»


Se o diz...

Mas temos ideia que na época seguinte (1969/70) ainda foi Laurentino Soares o Treinador
sendo última época de Magalães como jogador.

Sobre a função de seccionista do
«nosso» actual presidente, nada,
e então, sobre o hóquei campo...


PS. - O Carlos Vieira era «extremo direito», como Carlos Duarte (e não «extremo esquerdo» - eram-no Zé Maria e Perdigão). Pormenores...

armando disse...

Caro anónimo, que, apesar de não saber o nome (julgando ser aquele sr. Adriano de que às vezes há referências, mas não conheço pessoalmente), porém até já admiro por gostar da História do nosso Porto:
O motivo de não ter referido o Seccionista é o mesmo dos assuntos anteriormente referidos. Senão mais valia escrever um livro, coisa que já fiz, em formatos normais de papel, mas não em suportes informáticos naturalmente. Até porque também mereceria referência o sr. Sampaio Mota, cujo trabalho muito admirei.
Sobre o Carlos Vieira ter sido extremo, como deve notar, não sou desse tempo, referindo apenas o que está escrito, como por exemplo numa separata colorida que possuo, constante de arranjo fotográfico com imagens dele como elemento do futebol e do atletismo, onde está referido como extremo-esquerdo.
Sobre o caso do Alexandre Magalhães, esta foto foi-me oferecida pelo Cristiano (talvez isso explicando o facto de ele estar ao centro, agachado, quando era normal completar um quarteto em pé, nas fotos tradicionais de hóquei), num tempo em que tive contactos com a secção de Hóquei em Patins - inclusive foi-me dedicada uma vitória em Valongo, cujo resultado de 4-1 a favor do F C Porto foi especial, sabendo-se da rivalidade e mano a mano com que ao tempo eram disputados esses derbis. Ainda guardo recorte do O Porto com essa "caixa". Querendo eu dizer que não me equivoquei, pois o sr. Laurentino já havia saído e o Alexandre Magalhães assumido interinamente a função de orientador. Assim como guardo outras recordações da ocasião, comprovativas desse e outros factos.
Sobre o hóquei em campo, pode ser que ainda venha a escrever algum post, qualquer dia, entre tantos motivos possíveis, se o amigo Ricardo Vara estiver pela conta.
Mas já me alonguei e o que importa é que estes são motivos de união, pelo que nos desperta paixão.
Um abraço
Armando Pinto

Anónimo disse...

«... estes são motivos de união, pelo que nos desperta paixão ...» (Armando Pinto)


Esta frase "desculpa" (como reco nhece), de facto, o exagerado al ongamento do texto.

Permita-nos,no entando, exagerando quiçá, também, algumas reflexões:


«... foi-me dedicada uma vitória em Valongo, cujo resultado de 4-1 a favor do F C Porto foi especial, sabendo-se da rivalidade e mano a mano com que ao tempo eram dispu tados esses derbis ...» (Armando Pinto)

Mas que privilégio. Pensavamos nós que as vitórias das equipas são da exclusividade (dedicadas) dos se us... adeptos. Anónimos que sejam.

Mas entendemos.

Chama "rivalidade mano a mano"? Ul trapassava, por vezes isso. Chegam os a assistir a adeptos desse clu be de hóquei a "expulsar" adeptos do FC Porto em pleno Pavilhão Amé
rico Sá (nos anos 70) à pedrada e...a cinto. Lambra-se?



- «... guardo recorte do O Porto com essa "caixa" ...» (Armando Pinto)

Não se importa de referir a data desse «O Porto»? Não, não é descon
fiança... é curiosidade.


- «... mereceria referência o sr. Sampaio Mota, cujo trabalho muito admirei ...» (Armando Pinto)

Concordamos. Era (será ainda?) pro
fissional na área dos despachantes oficiais (tal como o falecido Antó nio Morais e o Monteiro Poças - um ex-dirigente que até "ameaçou" con correr contra Pinto da Costa, lem bra-se?).


- «... não sou desse tempo, refe rindo apenas o que está escrito, como por exemplo numa separata co lorida que possuo, constante de ar ranjo fotográfico com imagens dele como elemento do futebol e do atle tismo, onde está referido como ex tremo-esquerdo ...» (Armando Pinto)

Tb temos, exactamente, essa "sepa rata"; tb não somos desse tempo ms sabe-se que era... extremo-direito (num tempo em que um extremo direi to era mesmo... extremo; direito ou esquerdo). E como é história um bom portista "tem" de a dominar.


- «... Sobre o hóquei em campo, po de ser que ainda venha a escrever algum post, qualquer dia ...» (Ar mando Pinto)

Mas conte tudo.

É que estamos a "ver" (embora não acreditemos) qd tal suceder e o FC Porto fôr (de novo) campeão, o "no sso" presidente abraçado ao irmão a chorar... festejando.

(é que já "vimos" esse filme" em 1999 - e, espera-se, volte a suce der na próxima 4ª f.). Fazemo-nos entender?

A (boa) "memória", por vezes, tem destas coisas...


PS. - «... admiro por gostar da História do nosso Porto ...» (Ar mando Pinto).

Não tenha dúvidas. Um abraço.

Armando Pinto disse...

O amigo / consócio Portista, que tem sido anónimo, vai-me desculpar, mas vai ser a última vez que lhe respondo como anónimo - até porque pode haver infiltrados e eu gosto de saber com quem comunico. Assim, se quizer continuar com seus comentários, no que me toca a mim, vai ter de deixar o anonimato, senão não há mais qualquer resposta.
Quanto à caixa que referi, não fixei a data do jornal, por a ter recortado, mas foi do O Porto mais próximo ao jogo em apreço, que foi disputado em 21 de Maio de 1972 - com a equipa do Porto a ter alinhado com Brito, Júlio, Leite, Cristiano e Ricardo; tendo também jogado Jorge Câmara e Augusto (e sido guarda-redes suplente o Zé Manuel), com golos de Cristiano, 2, Ricardo e Leite.
Para o caso de ter dúvidas, envio uma cópia por e-mail ao nosso comum amigo Ricardo Vara, para a eventualidade de ele poder fazer-lhe chegar a imagem.
Reforço o apreço por saber que gosta da História do nosso F C Porto, apenas que para isso não é necessário haver desnecessárias confrontações, que não se entendem.
Um abraço
Armando Pinto

Anónimo disse...

Anigoi Armando Pinto:


Não entendemos tamanha animosidade.

Ou até entendemos...

Não teve a ver com a "estória" do hóquei campo? Mas olhe que é verda de...

De consciência, porém, tranquila.

Houve respeito... recíproco. E isso é o mais importante nestes
"diálogos", não acha?

Um renovado abraço.

Anónimo disse...

Certo, amito Armando Pinto:


«... O Porto mais próximo ao jogo em apreço, que foi disputado em 21 de Maio de 1972 - com a equipa do Porto a ter alinhado com Brito, Jú lio, Leite, Cristiano e Ricardo; tendo também jogado Jorge Câmara e Augusto (e sido guarda-redes suple nte o Zé Manuel), com golos de Cri stiano, 2, Ricardo e Leite ...».


«Investigaremos»... não desconfian do.

Grande equipa, grandes jogadores.E lembramo-nos bem tb dos suplentes.

O Zé Manuel é escrivão-adjunto no Tribunal Familia e Menores do Por to e dedica-se ao "seu" Vigorosa.

O Cristiano qd em vez se vislumbra nos Pavilhões. O Brito, o Jorge Câ mara e o Júlio, nem vê-los.

Com o Leites há pouco conversamos e está desencantado (... segredos)

O Zé Fernandes é o treinador do H de Cambra e o madeirense Ricardo (casado, na altura, com a nossa campeã nadadora Francelina Valada res) já faleceu.


Um abraço com... respeito e amiza de.

Anónimo disse...

Amigo Armando Pinto:


Lá descobrimos o "elogio"(dedicató ria) na vitória hoquista em 1972.

- "O Porto" de 25.05.72 (Valongo - 2 - FC Porto - 4)

"No fim do encontro os jogadores portistas ofereceram ao seu entu siástico adepto e nosso dedicado leitor, Armando Pinto, a vitória"

Sim senhor... que privilégio.

Parabéns e um abraço.

João Lisboa disse...

Também eu fui jogador de Hoquei em Patins no FCP. Que bom ter descoberto este Blog. foi bom ler alguns nomes - Laurentino Soares meu 1º treinador, João de Brito; Cristiano e tantos outros que conheci em idade jovem.
Gostaria de colocar aqui uma questão. Não tenho a certeza daquilo que vou afirmar mas, creio eu, que o 1º Campeonato Nacional ganho pelo FCP, foi pela equipa Junior. Alguns nomes Domingos; João Paulo Barbot, Aureliano, Fernando Maia. Estes são os que recordo. O Jogo da final foi em Coimbra, contra a Juventude Salesiana. Como digo, não tenho a certeza, se este foi de facto o 1º titulo. Será possivel descobrir isso?
desse tempo apenas tenho uma foto no Antigo ringue da Constituição. Nela estão alguns dos nomes que referi atrás. Gostava de ter mais mas... é única. Será que por acaso tem fotos dessas equipas de juvenis/juniores? Recordo que o pai de um colega fazia várias nos nosso jogos. Deixo aqui um endereço para um possivel contacto jjrl@iol.pt. Um Abraço Portista