domingo, 24 de maio de 2009

Siga a festa!

E pronto, terminou a Liga! Logo agora que estávamos a desfrutar cada vez mais deste FC Porto versão 2008/09. O que nos vale é que ainda há mais uma competição para vencer. Uma vitória na final do Jamor colocará um ponto final quase perfeito na época em crescendo que o FC Porto realizou. O jogo de hoje foi apenas uma interrupção momentânea na espectacular série de vitórias consecutivas que levaram o FC Porto ao título.
Este 2º tetra da nossa história marca o regresso do FC Porto aos festejos na baixa da cidade. Só não sabemos se o 'autocarro-do-tetra' vai passar pela histórica e mítica Ribeira (um bastião portista e, ao mesmo tempo, uma das zonas da cidade do Porto com maior taxa de desemprego e carências sociais). De qualquer forma, saúda-se o regresso do FC Porto ao coração da Invicta. É ali que a cumplicidade entre a cidade e o seu clube mais representativo ganha maior força e expressão.
Quanto ao jogo de hoje, notou-se claramente que os tetracampeões não quiseram forçar. De qualquer forma, e depois de realizadas mais de 50 partidas, não é fácil continuar a abordar os jogos com uma postura dominadora e sempre a assumir as despesas do jogo. Ao longo da época, os tetracampeões nunca fugiram a essa responsabilidade e, mesmo nos jogos mais difíceis e disputados fora de casa (Manchester ou Madrid, por exemplo), jogaram sempre para ganhar.
Sendo assim, estão perdoados pelo ritmo de treino que colocaram em campo no jogo (1-1) de hoje. Só depois do golo do Sp. Braga é que os tetracampeões "entraram" em campo. Ou seja, só houve FC Porto durante 20 minutos. Mas, caramba, era a festa dos tetracampeões!
Como as contas se fazem no fim, é altura de olharmos com mais cuidado para a classificação final. Com o golo marcado hoje por Farías, o FC Porto ultrapassou os 60 golos marcados na Liga (marcou mais 16 golos que o segundo classificado, o Sporting).
A nível de golos consentidos, o FC Porto também foi a única equipa a ficar abaixo da barreira dos 20 golos sofridos (consentiu apenas 18), enquanto que o terceiro classificado (Benfica), por exemplo, sofreu 32 golos!
Outro dado curioso tem a ver com as derrotas que o FC Porto sofreu na Liga. Foram apenas duas (contra Leixões e Naval) e tiveram lugar na mesma semana. Quatro dias depois vencemos em Kiev. A partir daí, foi sempre a somar!
Agora, é tempo de juntar a Taça de Portugal ao campeonato. Dorival Yustrich, Tomislav Ivic, António Oliveira, José Mourinho e Co Adriaanse foram os únicos técnicos que levaram o FC Porto à dobradinha. Depois de 3 épocas de sucesso (apesar de não ter vencido nenhuma Taça de Portugal), e defrontando um adversário acessível (Paços de Ferreira), sería quase indesculpável se o FC Porto de Jesualdo não conseguisse agarrar esta oportunidade de garantir a dobradinha. Pode não haver outra (oportunidade). Para Jesualdo, claro!

6 comentários:

dragao vila pouca disse...

Grande ambiente, grande festa e um jogo fraquito do Tetracampeão, que só despertou com a entrada do Hulk e após o golo do Braga.

Ontem foi festejar, hoje é descansar e amanhã é começar a preparar com todo o empenho determinação e profissionalismo, a final da Taça, porque queremos e merecemos, acabar a época em beleza, com a dobradinha.

Feliz o regresso à baixa - tem de ser para continuar -, que foi o ponto mais alto das comemorações do título.

- Rio, tu, sempre que o F.C.Porto ganha, és um dos grandes perdedores...

Um abraço

Dragao e Tripeiro disse...

O jogo acabou por nao ser importante ontem, a ansiedade para os festejos era maior... tb acho que se podia ter festejado mais um pouco no estádio.

Nas ruas é o que se sabe, o costume. Noite de S.Joao antecipada...

Venha o Penta!

Dragaopentacampeao disse...

A vitória no campeonato é justíssima, apesar de um momento de menor acerto, que manchou um pouco, tornando a prova mais competitiva.

Realce para os reforços, Cissokho, Fernando, Hulk e Rodriguez que acabaram por se integrar quase perfeitamente.

Também para a evolução do treinador Jesualdo Ferreira que parece ter deixado cair alguns medos que no passado recente lhe causou amargos de boca.

A ideia de festejar nas ruas da cidade foi magnífica já que permitiu um contacto mais directo a quem, por variados motivos não assiste aos jogos no estádio. Foi a democratização da festa! Serviu também para dar a bofetada de luva branca ao complexado presidente da Câmara.

Segue-se a Final da Taça de Portugal. Espero naturalmente um Porto à altura dos seus pergaminhos para que a festa possa continuar na capital do império, onde há cada vez mais portistas.

Anónimo disse...

«... Rio, tu, sempre que o F.C. Porto ganha, és um dos grandes perdedores ...»


Infelizmente NÃO é o que tem sucedido.

Esperemos que seja desta... mas.

Nem é bem para mudança de política (porque, tb aqui, «vira o disco mas toca o mesmo»)

Petição disse...

POR UMA REVOLUÇÃO NO FUTEBOL EM PORTUGAL:
http://www.ipetitions.com/petition/revolucaofutebolportugal/

Anónimo disse...

Depois da festança na nossa Antiga,
Muy Nobre e Leal Cidade Invicta,eis
que se segue a final da Taça na
pedreira de Oeiras....Sendo assim,
que se mude a 2ªcircular para a
Via Dobradinha !!!

R.Moreira