sábado, 25 de agosto de 2007

O «cromo do dia» - Fernando Gomes

Hoje, no "cromo do dia", recordamos o maior goleador de todos os tempos do futebol português. Fernando Mendes Soares Gomes nasceu no Porto a 22-11-1956. Jogou 13 épocas no FC Porto onde foi campeão nacional por cinco vezes, tendo ganho ainda uma Taça dos Campeões Europeus, uma Supertaça Europeia, uma Taça Intercontinental e três Taças de Portugal. Gomes foi uma máquina de fazer golos! Marcou 318 golos no campeonato português (um record nacional que nem Eusébio supera), 288 dos quais pelo FC Porto, sendo o maior goleador de sempre do clube. Ganhou seis vezes o troféu de melhor marcador nacional e foi por duas vezes o melhor marcador europeu, vencendo a bota de ouro em 82/83 (36 golos) e em 84/85 (39 golos).
Com apenas 17 anos, estreou-se oficialmente na equipa principal do FC Porto. Foi no dia 8 de Setembro de 1974 e marcou os dois únicos golos na suada vitória por 2-1 frente à CUF. Gomes, no primeiro ano de FC Porto, ganhava 12 contos por mês enquanto que Cubillas, a vedeta da altura, ganhava 125!
Mas nem tudo foram rosas na ligação entre o FC Porto e Fernando Gomes que deixou o clube por duas vezes (por motivos diferentes), para jogar no Sp. Gijon (duas épocas) e, já no final da carreira, no Sporting. No primeiro jogo pelo clube espanhol, marcou cinco golos ao Oviedo! Depois de uma grave lesão, acabaría por regressar a Portugal e ao FC Porto, na época 1982/83, continuando a saga dos golos iniciada na época 1974/75. Mas em Novembro de 1987 iriam começar os problemas. Tomislav Ivic, assumiu numa entrevista que “Gomes é finito!” Apesar do desgaste provocado pelo jugoslavo, Gomes manteve-se no clube porque Ivic saiu logo a seguir. Gomes renovava o contrato e Quinito, o novo treinador afirmava: “Comigo… é Gomes e mais dez!”. O problema é que Quinito fracassou e regressaram Artur Jorge e...Octávio Machado! As relações entre Gomes e Octávio nunca foram as melhores e quando o FC Porto teve uma deslocação à Madeira para enfrentar o Marítimo, um atrito entre os dois foi suficiente para o goleador desabafar: “Octávio é um palhaço e um bufo dos tempos do Sr. Pedroto”. Pinto da Costa acabou por ficar mais uma vez ao lado dos treinadores e o Bi-bota d'Ouro acabou com um processo disciplinar e suspensão de todas as actividades. Um ano depois, Gomes ingressaría no Sporting, onde jogou 2 épocas, regressando depois á Invicta de onde nunca devería ter saído.

2 comentários:

Rui disse...

Ledo engano, meu caro. Fernando Gomes foi um notável jogador, mas Fernando Peyroteo e Eusébio da Silva Ferreira possuem, respectivamente, 330 e 319 golos assinalados no campeonato português de futebol.

Fonte: http://pfutebol.com/All-time%20statistics/All-time%20stats%20sub%20All-time%20Superliga%20top%20scorers.htm

Os valores indicados na fonte são oficialmente reconhecidos pela FIFA.

Além disso, as médias por jogo são absolutamente esmagadas por Peyroteo /1,68), José Águas (1,03) e Eusébio (1,02) contra 0,79 de Fernando Gomes (efectivamente o 3º maior goleador de sempre do futebol português).

Anónimo disse...

O Rui está enganado. O Gomes tem PELO MENOS mais dois golos que o pseudo-rei Eusébio. A manigância dos jornaleiros a pago da capital é conhecida e reconhecida. O recorde é absoluto e não precisou de recortes de jornal vizinho lá do bairro para existir. Peyroquê? Euséquê?! Fernando GOMES!